segunda-feira, novembro 07, 2016

O trágico minuto 66 explicado ao NES



Marcava o minuto 66 quando, depois de serpentear pelo meio de meia equipa do Benfica, Corona obriga Samaris a cometer falta e é imediatamente substituído por Rúben Neves. NES não tinha André André no banco, mas tinha Brahimi, mas não, NES não quis (ou não pôde...) utilizá-lo e como ainda não ensinou esta nossa jovem agremiação de bons jogadores a segurar a bola, a irritar o adversário, a provocar faltas e a matar os jogos, mandou recuar todos e convidou o moribundo Benfica, até ali de qualidade Salgueiros 2008, a despertar.

Depois, o mesmo técnico que este muito bem ao escolher colocar Otávio na zona central e Torres na esquerda, tira este último, talvez no seu melhor jogo, e logo a seguir o Jota, que andava a trocar os olhos a Nélson Semedo. Matou em definitivo o nosso jogo ofensivo. Três anos, cinco meses e 27 dias depois, o segundo minuto de descontos voltou a assumir o protagonismo do clássico. 

Assim, em cima, na primeira coluna da esquerda, começo por explicar ao Héctor Herrera o problema do seu lance aproveitando toda a restante superfície do quadro para tentar explicar ao NES o que está mal. Oxalá o ajude!

Sem comentários:

Enviar um comentário